Chocolate cookies – homenagem à Onni

Esse mês ganhei meu primeiro visitante asiático no blog. Veio da Coreia do Sul. Claro que isso me lembrou da minha única amiga que vive lá, na verdade minha única amiga oriental, Sofia. E lembrando dela, que conheci em North Vancouver, lembrei das aulas de culinária que fizemos juntas com a megera miss Lactin, na Seycove Secondary – que saudade. Aqui fica uma lembrança da querida Miss Lactin, a carrasca que botava 1 ovo e meio na receita e cuidava pra ver se separávamos na metade exata.

Cookies de chocolate – fácil e preciso!

– 125ml de manteiga em temperatura ambiente

-125ml de açúcar mascavo

– 60ml de açúcar

– 1 ovo

– 2ml de baunilha (falei que ela era carrasca! vale uma colherinha bem rasa)

– 2ml de bicarbonato de sódio

– 1ml de sal (a boa e velha pitada)

– 310ml de farinha

– 125ml de gotas de chocolate

Pré-aquecer o forno médio. Misturar farinha, bicarbonato e sal e reservar. Em outro recipiente, bater a manteiga com os dois açúcares, ovos e baunilha. Quando homogêneo, adicionar a mistura dos ingredientes secos aos poucos. Colocar as gotinhas e mexer na  mão. Assar entre 8 e 10 minutos. Quem gostar pode polvilhar um açúcar depois que os biscoitos esfriarem. Foto: foodnetwork

 

De volta com… canjica

Após mais de um mês no conserto, meu notebook voltou com o login do blog! Depois, foi o clima de férias que me manteve distante do computador, mas, antes que chegue março para eu postar o primeiro post do ano, aí vai a receita perfeita para a quaresma: a canjica.
O termo vem do banto (kanjica), uma papa feita com a farinha de milho branco ou verde ralado – segundo o Aurélio. Outros dizem que a palavra vem do malaiala –  idioma de Malabar, região da Ásia –  Kanji, significando  “arroz com água”. O sociólogo Gilberto Freyre  dá a versão de que a canjica é prato nativo; contribuição indígena. Portanto, a história da canjica se confunde com hábitos muito remotos do consumo do milho e seus derivados na América.
Para quem se interessar nas possíveis origens do nome, recomendo esta página. Quanto à receita, deixo aqui a da mais nobre autoridade culinária que conheço, minha vó!
– 500ml de leite integral
– 1 garrafinha de leite de coco
– meia caixa de leite condensado
– 1 pacote de canjica
– 1 pacote de coco ralado
Deixar a canjica de molho uma hora e depois cozinhá-la na panela de pressão, coberta com água, por 30-40 min. -Recentemente usamos uma daquelas canjicas brancas que já vem pré-prontas, a vácuo, e ela surpreendeu demais; ficou tão boa quanto usando o grão cru. Nesse caso, não precisa cozinhar, né, apenas esquentá-la com o restante.

Bolo de tangerina + a história

Após postar tantas receitas de bolo (simples, formigueiro, cenoura, fubá, limão…) ficou faltando cobrir o propósito deste site: a história, as referências, as curiosidades. Enfim, compartilho aqui o que poderia ser a origem do bolo: no Egito eram feitos pães doces com xarope de frutas locais como as tâmaras. Na Grécia e em Roma eles também eram produzidos. No entanto, a real diferenciação entre bolos e pães data do Renascimento. A denominação em português deve ter vindo de bola, já que a forma do bolo remete às redondas. Já para o inglês cake, a origem é viking (norueguesa), da palavra kaka, que designa massas doces assadas. Veja aqui um excelente artigo da revista Aventuras na história, sobre a origem do bolo de aniversário, que remete a Ártemis, na Grécia antiga.

Por fim, uma receita que eu jurava que não ia dar certo, até fazê-la!

Bolo de tangerina

– 2 xícaras de açúcar

– 1 xícara de óleo

– 2 ovos inteiros

– 3 tangerinas com casca e sem sementes

– 3 xícaras de farinha de trigo peinerada

– 2 colheres de sopa de fermento em pó

Colocar no liquidificador/batedeira todos os ingredientes, menos a farinha e o fermento. Uma dica é ir colocando as cascas aos poucos e parar quando a massa começar a pesar demais. Quando formar um creme bem encorpado, adicionar a farinha peneirada. Depois, o fermento – agora misturando à mão. Assar em forma untada e enfarinhada a 180 graus por cerca de 35 minutos. Foto foodnetwork

Elas estão chegando…

Depois do sempre turbulento final de semestre acadêmico, lá vêm minhas forminhas de panetone!

Em breve, a receita, a história e um belíssimo teste de qualidade retirado de um livrinho-relíquia italiano.

Esse mês será todo dedicado à data mais linda do ano 🙂

Bolo simples

Mais receita de bolo… mas esta é indispensável. E quem vai reinar sobre uma massa perfeita e simples, é a cobertura de sua escolha 🙂
-3 ovos
– 2 colheres de sopa de margarina
– 2 copos americanos de açúcar
– 2 copos de farinha de trigo
– 1 copo de leite
– 1 colher de fermento em pó
Bater os ingredientes na ordem acima. Pode ser até no liquidificador – aproximadamente 3 minutos já bastam. Untar uma forme e assar a 180 graus por 20-25 minutos. Uma ideia de cobertura é levar a foto médio por 7-10 minutos: 2 copos de leite, 2 colheres de sopa de chocolate em pó, 4 colheres de sopa de açúcar e 1 colher de sopa de margarina. Foto The wondering eater

Bolo formigueiro

Primeira tentativa de bolo formigueiro… deu certo! Muito fácil, se quiser dá pra fazer tudo no liquidificador ou batedeira.

– 3 ovos

– 4 colheres de sopa de manteiga

-1 vidro de leite de coco

– 3 xícaras de açúcar

– 4 xícaras de farinha

– 1 copo de leite

– 1 colher de sopa de fermento em pó químico

– 1 xícara de chocolate granulado preto

Bater, um a um, os ovos com o açúcar e a manteiga. Com a mistura homogênea, acrescentar os outros ingredientes na ordem acima. Untar uma forma com manteiga e farinha e assar por 30 minutos em forno médio.

Foto Technicolorkitchen

Bolo de cenoura de microondas

Às vezes rapidez e praticidade falam mais alto e as maravilhas do mundo moderno dão uma bela mão a quem precisa. Eu, particularmente, faço bolo no microondas – como essa receita aqui – e gosto do resultado. Agora aqui vai uma boa ideia para bolo de cenoura, fica pronta em 8 minutos!

– 2 cenouras raladas

– 1/2 xícara de óleo

– 4 ovos

– essência de baunilha a gosto (1 colher de chá basta)

– 1 + 1/2 xícara de açúcar

– 2 xícaras de farinha

– 1 colher de sopa de fermento

Juntar no liquidificador cenoura, óleo, ovos e baunilha. Bater bem. Adicionar açúcar, farinha e fermento, aos poucos. Quando colocar o fermento, melhor bater à mão. Em uma forma furada no meio, sem untar, despejar a massa, que não deve ultrapassar a metade da altura. Se isso acontecer, o melhor é colar ao redor da forma um papel manteiga mais alto para evitar vazamentos. Deixar 7 minutos no microondas. Adicionar uma tampa e cozinhar mais 1 ou 2 minutos. Atenção: a parte do meio, ao redor do furo, não cozinha direito no microondas, então o ideal é tirar qualquer sobra de massa crua com uma faquinha e pronto! O aspecto final fica mais claro que um bolo assado no forno, já que não forma a crosta escurinha. Foto: cozinhadasbecas

Entradas Mais Antigas Anteriores