Lagosta com creme de abacate

Uma combinação exótica que deu muito certo 🙂 Fez o maior sucesso!

– 4 caudas de lagosta de 150g (são pequenas)

– 1/2 abacate

– 1 xícara de creme de leite fresco

– 2 colheres de sopa de maionese

– suco de meio limão

– 2 maçãs verdes sem casca em cubinhos (opcional)

– sal, pimenta e azeite

Amassar o abacate com um garfo e temperar com maionese, suco de limão, sal e pimenta. Bater o creme fresco até ficar bem fiirme e incorporar ao abacate. Reservar.

Grelhar as lagostas temperadas com sal, pimenta e azeite. Montar uma caminha com abacate, com cubos de maçã em cima, e no topo a lagosta. Regar tudo com azeite.

Creme de milho

Um acompanhamento delicioso para qualquer refeição e muito simples. Pode ser feito em 15 minutos. A receita a seguir rende quatro porções. Quem se interessar sobre origens e qualidades do milho eu recomendo este site.

 

– 1 lata de milho

– 1 xícara e meia de leite

– 1 cebola média

– 1 colher de sopa de manteiga

– 1 tablete de caldo de legumes

– 1 lata de creme de leite

– 2 colheres de sopa de farinha de trigo

 

No liquidificador, misturar milho e leite. Numa frigideira, derreter a manteiga e dourar a cebola. Adicionar a farinha e mexer bem. Quando estiver dourada, juntar o milho batido e também o caldo. Mexer por 10 minutos, ou até engrossar um pouco. Aí é só finalizar com o creme de leite, mexer poucos minutinhos e já desligar.

Couscous

Para quem quer algo diferente de arroz na ceia, uma ótima pedida. Estou fazendo agora mesmo 🙂 Consiste num preparado de sêmola de cereais, principalmente trigo, mas também pode ser à base de farinha, polvilho, milho, mandioca… A grafia couscous é francesa e usada na maioria dos países. Aqui usamos muitas vezes cuzcuz.

Vou indicar como preparar o couscous, deixando pra imaginação de cada um como complementá-lo. Pistache, damasco, amêndoa, abobrinha, tomate… Qualquer coisa refogada na manteiga e misturada ao couscous pronto fica delicioso.

– 1 pacote de couscous

– para cada copo de couscous, um copo de água fervida com sal e azeite

– 2 colheres de sopa de manteiga

– complementos desejados, como verduras e amêndoas.

Neste site, em francês, há várias receitas de couscous de todos os cantos.

Colocar o couscous cru numa tigela com o dobro do tamanho usado pelos grãos (eles vão crescer bastante quando colocar água). Adicionar a manteiga e a água fervente em seguida. Mexer para incorporar a manteiga, tapar com um pano e deixar descansar entre 10 e 15 minutos. Assim já está pronto para consumo. Caso desejado, refogar numa frigideira os complementos e misturar ao couscous cozido. Pronto super rápido.

O couscous chegou a Portugal no reinado de Manuel I (1495-1521), sendo mencionado na obra de Gil Vicente. Daí veio para o Brasil, onde é bastante consumido no sudeste e no nordeste.

 

Bruschetta

Um dos mais famosos antipasti italianos e super fácil de fazer. Existem milhares de coberturas e variações de pães e temperos, mas opto por uma versão rápida, saudável e bem saborosa, apenas com tomates e manjericão.

– fatias de pão italino ou ciabatta com pelo menos 1cm de espessura. Proporção média: para cada tomate usado, cortar 2 fatias de pão

– 2 dentes de alho cortados ao meio

– 6 colheres de sopa de azeite de oliva

– 4 tomates (sugiro o italiano) picados em cubinhos ou concassé; dicas de cortes

– folhas de manjericão rasgadas com a mão

– sal e pimenta a gosto

Duas maneiras de prepará-la.

A mais forte, com bastante gosto de alho: Cortar o tomate e deixá-lo curtindo no azeite de oliva com alho e sal por meia hora. Tostar os dois lados do pão numa chapa quente. Montar a bruschetta (duas colheres de sopa da mistura de tomate sobre cada fatia de pão) e finalizar com pimenta, manjericão e queijo, se quiser.

Uma versão mais suave (usar só um dente de alho cortado ao meio): Tostar os dois lados do pão numa chapa quente e esfregar o alho na face que receberá a cobertura. Regar com azeite e reservar. Cortar os tomates, juntar com o manjericão, temperar com sal e pimenta. Colocar cerca de duas colheres de sopa sobre cada fatia de pão.

Ratatouille – A Receita

Não sei se é como a original francesa, mas vou mostrar a que fizemos no IF-SC e ficou realmente boa! Pode ser tanto usada como prato principal da refeição como acompanhamento para uma proteína. E vale ressaltar: é A ratatouille; feminino.

 A origem do prato é na área em torno da Provença e de Nice, no século XVIII. Em sua elaboração não podem faltar a beringela e o tomate, sendo outros elementos opcionais. Sobre a tradução, já vi de tudo: ensopado, picado, triturado, ragú de legumes e por aí vai…

– 700g de abobrinha

– 700g de beringela

– 250g de cebola

– 70g de alho

– 250ml de azeite

– 400g de pimentões em cores variadas

– 250g de tomate concassè

– salsinha, sal e pimenta a gosto

 Cortar a beringela, a abobrinha, o alho e a cebola em brunoise, ou seja, cubinhos (em breve falarei sobre os tipos de corte). Picar a salsinha em hacher (é o jeito tradicional de cortá-la, bem fininha, a partir do topo do maço). Cortar os pimentões em paysanne (cubos grandes).

Tudo pronto, aquecer o azeite numa panela funda e nele suar a cebola (deixá-la transparente), em seguida suar o alho e logo depois, o pimentão (até começar a murchar). Acrescentar a beringela, salgar e esperar até que fique bem murchinha para adicionar a abobrinha. Quando a abobrinha estiver macia, colocar o tomate, acertar pimenta e sal e finalizar com a salsinha.

Se quiser fazer igual a do filme de mesmo nome, os cortes são redondos e finíssimos

Aspargos ao Aceto Balsâmico

Receita adaptada da obra Culinária italiana de Jennifer Donovan; uma combinação que realçou o sabor marcante do aspargo.

– 500gr de aspargos frescos

– 2 colheres de sopa de azeite

– 2 colheres de sopa de aceto (“vinagre”) balsâmico

– 2 colheres de sopa de lascas de parmesão

– pimenta

Pré-aquecer o forno a 220º. Envolver os aspargos com azeite e colocar em uma assadeira forrada com papel manteiga, deixando por 10 a 12 minutos no forno, até amolecerem.

Colocar na travessa em que será servido, regar com vinagre e mais um pouquinho de azeite. Salpicar com as lascas de parmesão e pimenta a gosto. Prontinho.

Embora não seja o caso, a água do cozimento dos aspargos pode ser aproveitada para fazer molhos, sopas ou suflês, como usamos um caldo de legumes. Um jeito muito simples para fazê-los é colocar em água fervente entre cinco e nove minutos, de acordo com a espessura de cada um. As pontas macias devem ficar fora da água,  cobertas com papel alumínio e com a tampa da panela fechada, para serem cozidas no vapor.

O aspargo é bom para quem faz dieta, pois é pouco calórico. 100 gramas de aspargo cozido fornecem 18 calorias. Em conserva, 16. Aliás, por que a maioria dos aspargos nas conservas é branca? … São cultivados no escuro!

Na hora de escolher seus aspargos, confira se os caules estão firmes e o verde, “vivo”. Dizem que os que tem talos finos são mais saborosos…

Um pouquinho de história: há registros de apreciadores dos aspargos há milhares de anos,  como o imperador romano otávio Augusto e Plínio, o Velho, naturalista de mesma origem, que chamava os aspargos de “a verdura de Deus”. O prestígio dos aspargos caiu durante a Idade Média, mas reergueu-se no Renascimento , sendo muito consumido por Luís XIV, da França.

François Bonvin, Natureza morta com espargos, 1867

(Dir) Etienne Tournès, Aspargos, 1907

Tapenade de Azeitonas Pretas

Esta é uma receita de um patê original do sul da França, região da Provença.O nome vem da palavra tapeno, que em provençal significa alcaparra. Hoje tapenade é usado para se referir a purês ou cortes super finos de ingredientes como azeitonas e alici, misturados com azeite de oliva. Há muitas receitas que ficam boas, são rápidas, fáceis e podem ser servidas com torradas ou pão, ser acompanhamento ou até mesmo um dos condimentos do prato. E vale a pena prepará-lo com antecedência, pois pode ficar até 30 dias na geladeira, e após um tempinho gelando, fica ainda melhor. A receita abaixo eu fiz para servir como base para um prato de atum que farei em breve.

– 200g de azeitonas pretas sem caroço

– 2 colheres de sopa de alcaparras escorridas

– 2 dentes de alho descascados

– suco e raspas (poucas raspas, são fortes) de 1 limão siciliano

– 10 colheres de sopa de azeite de oliva

– 50g de alici escorrido (opcional, fica bastante salgado)

Basta bater tudo num processador, liquidificador, mixer, pilão… como preferir!

Rende 1 xícara, ou cerca de 250ml.

Entradas Mais Antigas Anteriores