De volta com… canjica

Após mais de um mês no conserto, meu notebook voltou com o login do blog! Depois, foi o clima de férias que me manteve distante do computador, mas, antes que chegue março para eu postar o primeiro post do ano, aí vai a receita perfeita para a quaresma: a canjica.
O termo vem do banto (kanjica), uma papa feita com a farinha de milho branco ou verde ralado – segundo o Aurélio. Outros dizem que a palavra vem do malaiala –  idioma de Malabar, região da Ásia –  Kanji, significando  “arroz com água”. O sociólogo Gilberto Freyre  dá a versão de que a canjica é prato nativo; contribuição indígena. Portanto, a história da canjica se confunde com hábitos muito remotos do consumo do milho e seus derivados na América.
Para quem se interessar nas possíveis origens do nome, recomendo esta página. Quanto à receita, deixo aqui a da mais nobre autoridade culinária que conheço, minha vó!
– 500ml de leite integral
– 1 garrafinha de leite de coco
– meia caixa de leite condensado
– 1 pacote de canjica
– 1 pacote de coco ralado
Deixar a canjica de molho uma hora e depois cozinhá-la na panela de pressão, coberta com água, por 30-40 min. -Recentemente usamos uma daquelas canjicas brancas que já vem pré-prontas, a vácuo, e ela surpreendeu demais; ficou tão boa quanto usando o grão cru. Nesse caso, não precisa cozinhar, né, apenas esquentá-la com o restante.
Anúncios